Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘stephen king’

Sempre que digo que Stephen King é meu escritor favorito, muitas pessoas me dizem: “mas como pode ler esse lixo?” Talvez o gênero literário afugenta um pouco certos leitores. Mas óbvio, a maioria que diz que King é lixo, nunca pegou num livro dele; no máximo assistiu algum filme baseado em alguma novela sua e se pôs a criticar.

Mas Stephen King não é pra qualquer um. Um pouco de cultura e estudo se faz necessário para compreender muitas passagens de sua obra. Por exemplo, na introdução de Dissecando Stephen King, ele fala de quando lecionava inglês, e de como ele e seus alunos pareciam de certa forma com “cães de Pavlov”. Mesmo ele dando uma dica do que se trata (“éramos condicionados a começar a falar – salivar – ao primeiro toque da campainha, e a se emudecer ao segundo toque, alguns minutos depois”) duvido que algum crítico de momento tenha capacidade de entender o que King diz naquele momento. Portanto resumem-se a criticar.

Outro exemplo é no conto O Nevoeiro, de Tripulação de Esqueletos. No princípio, quando estão todos presos naquele supermercado, David se vê dentro de uma grande “caixa de Skinner”. Não, seu verme, não o Skinner diretor da escola onde estuda Bart Simpson, mas o grande psicólogo americano, pai do behaviorismo, ramo da psicologia que mais se aproxima do conceito de ciência.

Óbvio que o não conhecimento sobre os conceitos que citei não interfere de uma maneira geral no entendimento da obra como um todo. Mas vejo a leitura como um montante de pequenos prazeres. Os grandes autores sempre se preocupam em escrever da melhor forma possível, em usar a palavra mais certa, em harmonizar frase a frase da história. O mínimo então é reconhecer cada esforço desse, e não simplesmente deixar de entender uma passagem imaginando que ela não vá fazer falta no contexto geral.

Das duas, uma: ou esses críticos nunca pegaram num livro de King (ou de qualquer outro autor); ou se pegaram, se depararam com alguma situação parecida com as que acabei de citar, fundiram a cuca e largaram o livro pra lá (é sempre mais fácil não fazer!). Mas para esse tipo de leitor (se é que podemos chamá-los de leitor) sempre haverá os ‘paulos coelhos’ da vida, literatura (se é que podemos chamar de literatura) fácil, que nada te ensina ou “nunca lhe tira da inércia”, como dizia Guimarães Rosa.

Vão em frente!

PS: As notas do último parágrafo não são pré-conceitos de minha parte. Tratam-se apenas de provocações.

Anúncios

Read Full Post »

Stephen King – Um Homem Iluminado

Durante o início de carreira, as coisas nem sempre eram fáceis para o jovem Stephen King. Entretanto algumas vezes a solução parecia cair do céu.

Certa vez, Stephen King andando pelas ruas do Maine, vê cones de sinalização durante todo o percurso. Decerto alguém os esquecera lá após realizar algum serviço de manutenção viária, ou algo do tipo. O fato é que King se irritara com tais cones, e aproveitando estar com sua caminhoneta, saiu recolhendo os cones, um por um, a fim de levá-los ao departamento de trânsito da cidade, e registrar uma reclamação.

Acontece que, depois de recolher vários deles, King fora interceptado por uma viatura policial. O guarda então desce da viatura, olha para os vários cones na caçamba da caminhoneta, encara King com uma cara de ‘velhaco’ e lança a pergunta: “Esses cones por acaso te pertencem, filho?”

King fora intimado a prestar depoimento no tribunal da cidade, e condenado a pagar uma multa de 250 dólares.

Há muito King não recebia nada pelos seus contos publicados, e o dinheiro da família mal dava para os remédios do bebê recém-nascido. Faltando um dia para o pagamento da multa ao estado, eis que King recebe pelo correio um cheque nominal de 250 dólares da revista Cavalier, referente à publicação de um conto que estava em posse do editor há mais de seis meses, e que até então não havia sido aproveitado.

Read Full Post »